31 de março de 2012

A Voz do Bardo

Escutai a voz do Bardo!
Que vê o Presente e Passado,
E o Futuro que escutou
O antigo Verbo Sagrado
Quando entre as velhas árvores andou...

Chamando em pranto a extraviada
Alma, na noite rociada;
Que tinha controle sobre
O ástreo céu que nos cobre
E a renovada luz já degradada!

“Ó Terra, Terra, retorna!
Levanta da relva e torna,
Que a noite fria definha
E a clara alvorada, morna,
Por sobre as negras massas se adivinha.

“Não fujas, não fujas mais;
Se foges, para onde vais?
O firmamento que se abre
E os úmidos litorais
Hão de ser teus, até que a noite acabe.”

Por William Blake
Tradução de Renato Suttana



Leia também: O Caminho do Bardo

Rowena Arnehoy Seneween /|\
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fáilte... Bem-vindo(a)!