5 de novembro de 2014

Projeto Marmor

Arte: Gabriel Fox
O Marmor é um projeto multicultural, que envolve literatura, mitologia céltica, história, música, poesia, dança, animação, comic book, RPG e muito mais. No qual tive a honra de participar, na parte histórica e com consultoria de Bellovesos Isarnos, a convite do querido amigo e escritor Eduardo Amaro. Lançamento oficial (CD + livro) na Comic Con Experience 2014, no Centro de Exposições Imigrantes em São Paulo.

Os Celtas
Aspectos histórico-mitológicos

Em uma linguagem acessível, abordaremos alguns dos principais aspectos históricos da mitologia céltica, para que o leitor se situe no mundo do livro Alma Celta.

Partes dessa introdução foram extraídas do livro The World of the Druids, de Miranda Jane Aldhouse Green, doutora em arqueologia e chefe do SCARAB (Centro de pesquisas da Religião, Arqueologia, Cultura e Biogeografia) da Universidade de Gales.

As primeiras referências históricas sobre os povos celtas encontram-se na literatura grega, por volta de 500 a.C. Escritos gregos relatam que os celtas habitavam uma vasta área geográfica, que incluía a França, a Espanha e se estendia até o Danúbio Superior, na Europa Oriental. Alguns arqueólogos defendem a gradual “celtização” de culturas na Europa Setentrional e Meridional por volta de 1500 a.C., indo desde a Bretanha céltica à Irlanda.

A palavra celta é derivada de “keltoi”, usada pelos antigos historiadores gregos para denominar as tribos europeias do norte. Entretanto, o termo “celta”, dado aos povos de mesma língua é uma designação relativamente recente, datada a partir do século XVIII...

Os Celtas na atualidade

Apesar do declínio das línguas celtas, a sua sobrevivência é certa graças àqueles que buscam o regaste histórico desta cultura. Em termos gerais, a sua definição é uma questão que levanta a abordagem de como a linguagem realmente é importante para a identidade céltica na visão moderna, presente também nos nomes toponímicos. Mas devemos ter em mente que os habitantes, por exemplo, da Escócia, Irlanda, País de Gales, Ilha de Man, Cornualha, e Bretanha não se definem como celtas, embora o atual movimento pancelta insista nesse conceito...

No passado, o renascimento celta foi visto de maneira idealista e platônica ao tentar resgatar os costumes celtas, através dos movimentos literários da época. Precisamos ter cuidado para não incorrermos no mesmo erro nas práticas druídicas modernas. E o mesmo pode ser dito dos estudiosos, particularmente, dos acadêmicos e historiadores revisionistas. Podemos afirmar que as principais fontes de informação sobre os antigos Celtas e Druidas são descritos em relatos clássicos de historiadores greco-romanos, em dados arqueológicos e nos registros de monges cristãos, entre os séculos VIII e XII d. C.

Outros meios possíveis para se entender os celtas e os seus costumes nos dias atuais, seriam através de analogias e estudos comparativos entre eles e outras culturas indo-europeias semelhantes ou que conviveram entre si, em algum período da história.

Rowena Arnehoy Seneween ®
Historiadora autodidata, pesquisadora da cultura celta e praticante do Druidismo com bases reconstrucionistas.


Livraria Saraiva com preço promocional de lançamento.

Parte histórica do livro ALMA CELTA
Todos os direitos reservados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fáilte... Bem-vindo(a)!