23 de junho de 2011

Breve Definição do Mito

Os mitos são histórias universais e atemporais que de certa forma, refletem e moldam nossas vidas - exploram os desejos, os medos, os anseios e fornecem narrativas que nos lembram qual é o significado da vida - através das suas simbologias.

Os contos e os mitos do mundo céltico são crenças antigas que estão graficamente preservadas em vários textos ou manuscritos, que vão desde o irlandês "Lebor Gabála Érenn - O Livro das Conquistas" ao Mabinogion - coletânea escrita em prosa, no galês medieval - baseado nas tradições dos primeiros contadores de histórias, conhecidos como bardos, na tradição druídica.

As histórias serviam como elemento de educação para os jovens da nobreza céltica, pois seus personagens heróicos forneciam um modelo de comportamento guerreiro, próprio para juventude da época. Contudo, os mitos também forneciam representações lendárias de personagens reais, tão marcantes que foram preservados tanto na poesia bárdica como na memória popular.

"Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estarmos vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior de nosso ser e de nossa realidade mais íntima, de modo que realmente sintamos o enlevo de viver. É disso que se trata, afinal, e é o que essas pistas nos ajudam a procurar, dentro de nós mesmos. Os mitos nos ensinam que você pode se voltar para dentro de si para captar a mensagem dos símbolos." Joseph Campbel.

Leia mais em: Os Contos e os Mitos Celtas

Bênçãos plenas do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®


18 de junho de 2011

Início da Jornada

Vivenciar a luz e a sombra dentro de nós é conectar-se à unidade, que caminha sempre em perfeita harmonia. Esse é o começo da jornada pelas terras célticas de Avalon. Um caminho iniciático que intuitivamente segue os passos druídicos de outros tempos.

Iniciático significa iniciar-se em algo, havendo apenas o comprometimento pessoal e individual com os Deuses e o próprio caminho, que nos levará a um nível de vida mais elevado e muito mais intenso. Além de aprimorar-nos, constantemente, rumo ao conhecimento ancestral e histórico, pois ao revisarmos o passado, melhor iremos aprender a entender o nosso presente.

Muitos são os que percorreram o caminho iniciático em busca deste conhecimento, de forma errônea e egoística, esquecendo-se que a vida por si só é uma eterna iniciação.

As iniciações druídicas são ligações entre o mundo profano e o mundo divino - mundos que caminham juntos e jamais separados - que novamente nos enviam aos portais do Outro Mundo, o paraíso celta. Atravessar esse portal só depende de encontrarmos o ponto de contato entre estes dois mundos.

A natureza nos proporciona essa comunhão natural, mostrando-nos o caminho da evolução e, por conseguinte, o caminho da iniciação.

Entretanto, nenhum ritual ou iniciação pode ser dado ao ser humano, se ele não estiver desprovido do egoísmo e do apego. Ao nos livrarmos desses sentimentos, deixaremos de criar expectativas em relação ao outro e, principalmente, a nós mesmos, criando uma atmosfera altruísta de muita paz interior.

Essa atmosfera produz a energia necessária para vivermos em sintonia com toda a natureza, através da essência do Druidismo, uma religião centrada na força da terra, que honra os espíritos da natureza, seus ancestrais, os Deuses, o planeta e acima de tudo, respeita todos os seres viventes. Que assim seja!

Rowena Arnehoy Seneween ®

Extraído do livro Brumas do Tempo
Poesias, pensamentos e ritos druídicos
Todos os direitos reservados.